Boca bem cuidada é sinônimo de corpo saudável…

Falta de cuidados com a boca e a região dentofacial aumentam o risco para problemas respiratórios, de sono, zumbido e inclusive doenças cardiovasculares.

 

Falar, mastigar, deglutir e reconhecer o sabor dos alimentos são algumas das ações realizadas pela boca e seus componentes consideradas fundamentais para a sobrevivência do ser humano. A importância da saúde bucal vai além da digestão e linguagem, afetando a estética, a condição sistêmica do organismo e a vida social. “O indivíduo tem que ter confiança na sua imagem para conseguir se relacionar com as outras pessoas sem constrangimentos e um sorriso bonito e saudável é o primeiro passo”, observa o ortodontista e ortopedista facial Gerson Köhler.

A boca é a porta de entrada de alimentos, bebidas e de muitos micro-organismos que ficam instalados e se desenvolvem nos dentes, gengivas e mucosas bucais. Sem a higiene adequada, ocorre a proliferação de bactérias que podem causar infecções. O problema tem início na boca e se espalha gradativamente para outras partes do corpo. “A saúde bucal não pode ser desvinculada da saúde geral. Estudos científicos já comprovaram que doenças bucais podem provocar doenças sistêmicas e vice-versa”, destaca o especialista, integrante da equipe interdisciplinar da Köhler Ortofacial.

Os órgãos possuem uma interdependência para assegurar a integração do trabalho, ou seja, o funcionamento de uma área depende da outra e se houver algum problema o todo será prejudicado. “Além de comprometer o bem-estar físico e a qualidade de vida do indivíduo, a má higiene bucal pode gerar alterações psicológicas. É necessário ter uma visão ampliada da saúde, pois a boca faz parte de um sistema maior. As anomalias dentofaciais, como as oclusões incorretas, mordida aberta ou cruzada e o apinhamento dentário, também geram reflexos na saúde sistêmica do organismo”, enfatiza.

De acordo com Juarez Köhler, especialista em ortodontia e ortopedia facial e responsável pelo setor de Monitoração Ortopédica da Face Pediátrica (MOFP) da Köhler Ortofacial, a boca não pode ser vista de maneira isolada pelos profissionais. A saúde bucal se reflete nas articulações, vasos sanguíneos e órgãos que parecem – aparentemente – não ter contato com os dentes. “Coração, pulmões, estômago e até as artérias podem sentir os danos de uma cavidade bucal doente. Algumas horas sem escovar os dentes são o suficiente para a formação da placa bacteriana, que causa cáries e periodontite e – a partir desta – pode repercutir inclusive sobre a saúde do coração”,  esclarece.

Boca doente aumenta o risco de doenças cardíacas

As inflamações causadas por micróbios afetam a gengiva e contribuem para o surgimento da gengivite, que progride para a doença periodontal. A consequência é o aumento do risco de doenças cardíacas, respiratórias, artrites, gastrites e sinusites. Quem não escova os dentes pelo menos duas vezes ao dia tem 70% mais chances de desenvolver um problema cardiovascular. “A escovação e o uso do fio dental são essenciais para manter a boca e o restante do corpo saudáveis. Logo após as refeições deve ser realizada a higienização dos dentes e da língua”, recomenda Gerson, professor da pós-graduação da UFPR há 23 anos.

As bactérias aproveitam as lesões na gengiva e o espaço entre o dente e o osso para entrar na corrente sanguínea e percorrer o organismo. Se o indivíduo estiver com o nível de colesterol elevado, as artérias não serão poupadas pelos microorganismos. Eles ainda favorecem a constituição de placas de gordura nos vasos sanguíneos, o que pode causar um infarto ou derrame.  “Diabéticos e gestantes são ainda mais suscetíveis aos males que os micróbios da doença periodontal podem causar. As grávidas têm mais chances de ter parto prematuro e as pessoas com diabetes tem mais dificuldade para controlar a glicemia”, comenta Juarez.

Zumbido e alterações no sono podem ser causados por problemas bucais

O zumbido, som ouvido na cabeça ou nos ouvidos sem fonte externa, é um sintoma que pode indicar a presença de problemas bucais. O bruxismo, denominação do aperto de dentes provocado pelo excesso de força da musculatura facial, pode causar a compressão de áreas vascularizadas próximas aos ouvidos. “O cérebro pode – em determinados casos – decodificar os sinais da compressão como zumbido. O diagnóstico é feito a partir da realização de determinados movimentos que envolvem a face, a cabeça e o pescoço. A atuação do ortodontista em pacientes com zumbido acontece após a indicação do otorrinolaringologista ou otoneurologista”, explica Gerson.

A qualidade do sono também está relacionada com a saúde bucal. Alterações nas arcadas dentárias podem causar a queda para trás da língua durante o sono. O posicionamento incorreto da língua bloqueia a faringe, impedindo a passagem do ar. “A interrupção da respiração por alguns segundos ou a obstrução parcial da entrada e saída do oxigênio gera a Síndrome da Apnéia Obstrutiva do Sono (SAOS), um dos distúrbios mais graves no contexto da Medicina do Sono. A SAOS é considerada uma doença multifuncional, com várias causas associadas, que prejudica a saúde em geral e contribui para o surgimento de outras enfermidades”, acrescenta Gerson, que atua de maneira interdisciplinar em distúrbios do sono. Fonte: Bem Paraná.

Morrer pela boca…jamais!

 

Descoberta espécie de bactéria que pode causar infecções e morte ao entrar em contato com a corrente sanguínea.

Pesquisadores identificaram uma bactéria chamada Streptococcus tigurinos, que vive dentro da boca, e pode causar doenças sérias e até mesmo a morte, caso entre na corrente sanguínea.

Os cientistas realizaram testes isolando a bactéria a partir do sangue de pacientes que sofrem de endocardite (inflamação do coração), meningite e espondilodiscite (inflamação na coluna). O que eles descobriram foi que o sangue dessas pessoas é similar a uma espécie de Streptococcus, que vive na boca.

A nova pesquisa foi pubilcada no International Journal of Systematic and Evolutionary Microbiology e permite que os cientistas trabalhem em como a doença é causada, além de avaliar a ameaça que ela representa.

 O estudo foi conduzido pela Dra. Andrea Zbinden, da Universidade de Zurich, na Suíça. A Dra. afirma que a identificação dessa bactéria é essencial para que sua disseminação seja controlada.

 A descoberta não é caso para alarde, mas o próximo passo é descobrir se a presença dessa bactéria na cavidade oral é comum, e quais riscos ela apresenta. Imunossupressão, válvulas cardíacas, cirurgias dentárias ou doenças crônicas são fatores predisponentes comuns para infecções sanguíneas por esse grupo de bactérias. No entanto, os riscos específicos da bactéria S. tigurinos ainda precisam ser determinados. Fonte: Universia Brasil.

Para manter a saúde bucal mantenha os hábitos de higiene sempre em dia, escove os dentes sempre que acordar, após as refeições e antes de dormir, e visite regularmente o dentista.  A Clinica Ceiop é o mais moderno complexo odontológico do Estado. Conheça-nos e marque sua consulta, a primeira é grátis! CEIOP (67) 3331.5226

Novo método de escovação dos dentes pode aumentar em 4 vezes a proteção contra cáries!!!

Até parece algo especial ou até mesmo complicado quando se fala em aumentar 4 vezes  a proteção contra cáries nos dentes. Nada disso!!!

Um estudo da Universidade de Gotemburgo descobriu uma nova pasta com alta concentração de flúor, que deve ser passada com os dedos nos dentes, que pode quadruplicar a proteção contra cáries.

16 voluntários testaram uma série de técnicas de escovação, usando pastas de dente comuns ou a com muito flúor. “O estudo revelou que aqueles que usaram a pasta com alta concentração de flúor, três vezes ao dia, conseguiram se proteger das cáries quatro vezes mais”, afirma a pesquisadora Anna Nordström.

Em conjunto com a pasta, uma nova técnica de escovação foi desenvolvida: “esfregar” os dentes com os dedos. “Essa massagem provou ser mais efetiva na escovação”.  “Esfregar a frente dos dentes com pasta é uma boa maneira após o almoço. Mas isso não deve substituir a escovação normal pela manhã e a noite – é um extra”.

Os pesquisadores descobriram que massagear os dentes com creme dental usando os dedos é tão efetivo quanto uma terceira escovação, pois aumenta a quantidade de flúor na boca. Portanto, esfregar a pasta sobre os dentes durante o dia seria o mesmo que receber uma “injeção” extra da substância.

A massagem pode ser realizada depois do almoço, por exemplo, mas nunca deve substituir a escovação matinal ou a que você realiza antes de dormir.

Dicas dos pesquisadores:

  • Escove os dentes pelo menos duas vezes por dia, após o café da manhã e antes de dormir;
  • Se necessário, escove uma terceira vez também, ou massageie os dentes com o creme dental depois do almoço;
  • Caso você tenha problemas de incidência de cáries, escolha uma pasta de dentes específica e rica em flúor;
  • Evite enxaguar a boca depois de escovar os dentes.

Fonte: caratinga.net / tecmundo.com.br

Perguntas parte 3 [restauração]

Dentes manchados por uma restauração de amálgama podem ser corrigidos com a troca?

O amálgama libera, ao longo do tempo, produtos que podem manchar o esmalte dental deixando-o acinzentado. Nesses casos, a troca melhora muito o problema estético sem, contudo, resolvê-lo completamente, pois seria necessária a retirada completa desse esmalte manchado para se conseguir uma perfeita solução estética.

Como é feita a manutenção das restaurações estéticas?

A manutenção das restaurações estéticas está inserida no contexto de manutenção da saúde bucal do paciente. O controle da higiene bucal, as profilaxias periódicas, como também as reavaliações clínicas do estado das restaurações prolongam a vida útil desses trabalhos. Pequenos reparos de possíveis falhas como manchamento superficial e pequenas fraturas podem ser realizadas com facilidade pela mesma técnica adesiva usada na confecção das restaurações estéticas.

Você sabia?

A cárie só se tornou um problema de saúde, após o domínio do fogo, onde o Homem aprendeu a cozinhar seus alimentos e introduziu o amido a dieta, dessa forma se iniciou as agressões nos dentes.
A tempos atrás a Odontologia era praticada por Barbeiros e curiosos, só a partir do século XVIII que iniciou-se a Odontologia Moderna, através de trabalhos apresentados pelo francês Pierre Fauchard. A primeira escola dentária, para formar dentistas, surgiu em 1840, em Baltimore, nos Estados Unidos. Foi em 25 de outubro de 1884, um decreto imperial criou as primeiras Faculdades de Odontologia no Brasil.
Essa foto acima é de uma agenda de Dentista do ano de 1940, provavelmente produzida pela empresa que estampa seu produto na capa “Parfait”, e o Slogan é bem convincente: ”A Resistência é uma das principais qualidades da Parfait, o material plástico para a confecção de dentaduras que a experiência recomenda.”  Fonte OdontoCursos.

Mais sobre restauração [Perguntas parte 2]

Quais são o melhor material e a melhor técnica?

Basicamente, a técnica direta serve para as pequenas restaurações e, quando a área a ser restaurada é muito extensa, a preferência cai sobre as indiretas; entretanto, as mais extensas podem ser feitas de modo direto, dependendo da indicação profissional. Na técnica indireta, a escolha entre cerâmica e cerômero dependerá das condições técnicas e também da preferência profissional, pois os comportamentos estético e funcional são extremamente semelhantes.

No momento da troca de uma restauração, é necessário um desgaste maior do dente?

Não necessariamente. Quando é feita a troca de uma restauração de amálgama por uma de resina composta direta, a cavidade obtida após a retirada do material antigo já é compatível com o novo material restaurador. Contudo, para receber uma restauração indireta, pode ser necessário um desgaste adicional de dente sadio para possibilitar a execução do trabalho. Nas trocas de uma restauração metálica indireta de ouro, por exemplo, dificilmente uma certa quantidade de dente sadio não vai ser sacrificada, pois são preparos com exigências diferentes. Esse desgaste maior do dente de maneira alguma irá prejudicá-lo, pois é feito para permitir uma harmonia entre o material restaurador e o dente.

Uma restauração de material na cor do dente tem a mesma durabilidade que uma restauração antiga? 

Existem, na boca de pacientes, restaurações de amálgama, de ouro e de outros metais em bom estado e com desempenho funcional perfeito há mais de vinte anos, assim como existem restaurações em mau estado feitas há pouco tempo. As técnicas restauradoras estéticas atuais são relativamente novas se comparadas com a do amálgama e a das restaurações metálicas indiretas. Todavia, já temos acompanhamento clínico com excelentes resultados de restaurações estéticas. A durabilidade de uma restauração depende de uma série de fatores, alguns diretamente relacionados com o cirurgião-dentista e outros, com o paciente.