Boca bem cuidada é sinônimo de corpo saudável…

Falta de cuidados com a boca e a região dentofacial aumentam o risco para problemas respiratórios, de sono, zumbido e inclusive doenças cardiovasculares.

 

Falar, mastigar, deglutir e reconhecer o sabor dos alimentos são algumas das ações realizadas pela boca e seus componentes consideradas fundamentais para a sobrevivência do ser humano. A importância da saúde bucal vai além da digestão e linguagem, afetando a estética, a condição sistêmica do organismo e a vida social. “O indivíduo tem que ter confiança na sua imagem para conseguir se relacionar com as outras pessoas sem constrangimentos e um sorriso bonito e saudável é o primeiro passo”, observa o ortodontista e ortopedista facial Gerson Köhler.

A boca é a porta de entrada de alimentos, bebidas e de muitos micro-organismos que ficam instalados e se desenvolvem nos dentes, gengivas e mucosas bucais. Sem a higiene adequada, ocorre a proliferação de bactérias que podem causar infecções. O problema tem início na boca e se espalha gradativamente para outras partes do corpo. “A saúde bucal não pode ser desvinculada da saúde geral. Estudos científicos já comprovaram que doenças bucais podem provocar doenças sistêmicas e vice-versa”, destaca o especialista, integrante da equipe interdisciplinar da Köhler Ortofacial.

Os órgãos possuem uma interdependência para assegurar a integração do trabalho, ou seja, o funcionamento de uma área depende da outra e se houver algum problema o todo será prejudicado. “Além de comprometer o bem-estar físico e a qualidade de vida do indivíduo, a má higiene bucal pode gerar alterações psicológicas. É necessário ter uma visão ampliada da saúde, pois a boca faz parte de um sistema maior. As anomalias dentofaciais, como as oclusões incorretas, mordida aberta ou cruzada e o apinhamento dentário, também geram reflexos na saúde sistêmica do organismo”, enfatiza.

De acordo com Juarez Köhler, especialista em ortodontia e ortopedia facial e responsável pelo setor de Monitoração Ortopédica da Face Pediátrica (MOFP) da Köhler Ortofacial, a boca não pode ser vista de maneira isolada pelos profissionais. A saúde bucal se reflete nas articulações, vasos sanguíneos e órgãos que parecem – aparentemente – não ter contato com os dentes. “Coração, pulmões, estômago e até as artérias podem sentir os danos de uma cavidade bucal doente. Algumas horas sem escovar os dentes são o suficiente para a formação da placa bacteriana, que causa cáries e periodontite e – a partir desta – pode repercutir inclusive sobre a saúde do coração”,  esclarece.

Boca doente aumenta o risco de doenças cardíacas

As inflamações causadas por micróbios afetam a gengiva e contribuem para o surgimento da gengivite, que progride para a doença periodontal. A consequência é o aumento do risco de doenças cardíacas, respiratórias, artrites, gastrites e sinusites. Quem não escova os dentes pelo menos duas vezes ao dia tem 70% mais chances de desenvolver um problema cardiovascular. “A escovação e o uso do fio dental são essenciais para manter a boca e o restante do corpo saudáveis. Logo após as refeições deve ser realizada a higienização dos dentes e da língua”, recomenda Gerson, professor da pós-graduação da UFPR há 23 anos.

As bactérias aproveitam as lesões na gengiva e o espaço entre o dente e o osso para entrar na corrente sanguínea e percorrer o organismo. Se o indivíduo estiver com o nível de colesterol elevado, as artérias não serão poupadas pelos microorganismos. Eles ainda favorecem a constituição de placas de gordura nos vasos sanguíneos, o que pode causar um infarto ou derrame.  “Diabéticos e gestantes são ainda mais suscetíveis aos males que os micróbios da doença periodontal podem causar. As grávidas têm mais chances de ter parto prematuro e as pessoas com diabetes tem mais dificuldade para controlar a glicemia”, comenta Juarez.

Zumbido e alterações no sono podem ser causados por problemas bucais

O zumbido, som ouvido na cabeça ou nos ouvidos sem fonte externa, é um sintoma que pode indicar a presença de problemas bucais. O bruxismo, denominação do aperto de dentes provocado pelo excesso de força da musculatura facial, pode causar a compressão de áreas vascularizadas próximas aos ouvidos. “O cérebro pode – em determinados casos – decodificar os sinais da compressão como zumbido. O diagnóstico é feito a partir da realização de determinados movimentos que envolvem a face, a cabeça e o pescoço. A atuação do ortodontista em pacientes com zumbido acontece após a indicação do otorrinolaringologista ou otoneurologista”, explica Gerson.

A qualidade do sono também está relacionada com a saúde bucal. Alterações nas arcadas dentárias podem causar a queda para trás da língua durante o sono. O posicionamento incorreto da língua bloqueia a faringe, impedindo a passagem do ar. “A interrupção da respiração por alguns segundos ou a obstrução parcial da entrada e saída do oxigênio gera a Síndrome da Apnéia Obstrutiva do Sono (SAOS), um dos distúrbios mais graves no contexto da Medicina do Sono. A SAOS é considerada uma doença multifuncional, com várias causas associadas, que prejudica a saúde em geral e contribui para o surgimento de outras enfermidades”, acrescenta Gerson, que atua de maneira interdisciplinar em distúrbios do sono. Fonte: Bem Paraná.

Feliz dia das mães com muito amor!!!

Neste dia das mães a Clinica Ceiop deseja a todas as mães paz, saúde , felicidade, cumplicidade e muitos sorrisos entre mães e filhas. O sorriso nós podemos deixar mais bonito, mas o ato de sorrir é consequência direta do amor…..
Feliz dia das mães com muito amor pra vocês!!!

Flúor: antídoto ou veneno?

Desde meados dos anos 70 até os dias de hoje, o flúor é utilizado publicamente nas redes de distribuição de água de várias cidades do mundo. Isso porque entre os anos de 1974 e 2005 foram feitas pesquisas com milhares de pessoas de diferentes faixas etárias entre 4 e 70 anos, e o resultado foi de um  percentual acentuado de 50 a 60% na diminuição do chamado  CPOD (Índice que marca dentes Cariados, Perdidos e Obturados). A fluoretação das águas de abastecimento público é uma das medidas mais amplas de promoção na área de saúde bucal, pois associa ao benefício da água tratada o seu impacto epidemiológico na redução da prevalência e severidade da cárie dentária.

Porém pesquisas científicas afirmam que o flúor, embora seja benéfico para a boca e os dentes, pode não fazer muito bem para a cabeça. Sim isto mesmo para a cabeça. Entre os efeitos cumulativos do flúor estão a apatia e a falta de tomada de decisões, e é exatamente isso que vemos em boa parte das pessoas hoje em dia.  Em concentrações elevadas, o flúor é uma substância tóxica que pode causar distúrbios de atenção, concentração e memória. Sem contar que quanto mais ferve-se a água mais se potencializa o teor do flúor contido nela.

Mesmo que você só beba água mineral engarrafada, que é livre do flúor, a água da torneira usada para fazer e cozinhar alimentos, se for fluoretada, tem o teor de flúor potencializado no momento que é fervida e de uma certa forma ninguém que viva numa cidade onde existe sistema de fluoretação da agua potavel fica livre desse risco.

Entretanto não há evidência científica de que em baixas concentrações, conforme a encontrada nos oceanos, e preconizada para uso em saúde pública, o flúor represente algum risco para a saúde humana.

Ficamos então em uma faca de dois gumes. Por um lado se a água da torneira faz bem para os dentes e se não for bem dosada pode estar fazendo mal para a cabeça,  concluímos que a melhor maneira de manter a saúde tanto bucal quanto mental é estar bem informado e com hábitos que possam equiparar essa situação. São eles:

- Procure beber sempre água filtrada ou mineral engarrafada;

- Mesmo que seja para cozinhar use senão água engarrafada, que ficaria muito caro, pelo menos a filtrada;

- Diminua a quantidade de creme dental utilizado, pois apenas um pingo na extremidade da escova de dente basta;

- Informe-se quanto a empresa ou central que faz o abastecimento de água na sua região e busque saber se existe fluoretação ou não. Caso haja procure a Agencia Reguladora do serviço (ANA – Agencia Nacional de Aguas) para saber quais índices são utilizados de    flúor na água, se estão dentro dos padrões saudáveis e de quanto em quanto tempo é realizada a fiscalização dos índices.

- Observe-se. Fique atento as suas atitudes bem como suas sensibilidade como dores etc;

- Consulte regularmente o dentista  e o médico. Prevenção é ficar atento para a saúde e não esperar que aconteça pior para depois remediar;

- E por último não fique muito bitolado no assunto pois senão vai acabar tendo complexo de água da torneira rsrsrs.

Marque sua 1ª consulta  gratuitamente hoje mesmo na:

Clinica CEIOP  - Centro Especializado em Implantodontia, Ortopedia e Prótese.

Rua Albert Sabin, 1293 - Bairro Belo Horizonte - Campo Grande MS - Fone: (67) 3331.5226

por @guifreizan

Tira dúvidas sobre clareamento dentário…Fique por dentro!!!

Aproveitando que o assunto é clareamento dentário e estética bucal, encontramos essa esclarecedora sessão de perguntas e respostas sobre o tema, respondida por vários profissionais da área, que com certeza vai ajudar você a entender melhor todo o processo dos tratamentos relacionados ao tema em um tira dúvidas bem interessante e informativo. Confira e fique por dentro!

O clareamento a laser trata dentes manchados?

O clareamento dental a laser é indicado tanto para dentes escurecidos de maneira uniforme quanto para aquelas pessoas que tem pequenas manchas. Feito no consultório, o tratamento usa um gel à base de peróxido de hidrogênio, que quando penetra no esmalte e na camada externa do dente (conhecida como dentina) libera oxigênio e quebra as moléculas de pigmentação responsáveis pelo escurecimento. O cirurgião-dentista Mario Groisman, da Academia Brasileira de Odontologia, explica que, após fazer o isolamento absoluto da região, o gel é aplicado sobre os dentes e fotoestimulado por meio de led ou laser, gerando o clareando. O tratamento custa em média 900 reais é feito em duas a três sessões com cerca de uma hora de duração cada.

Posso fazer clareamento em casa sem consultar um dentista?

 De acordo com o odontologista, o clareamento dental doméstico usa um gel clareador de baixa potência, que o paciente aplica por meio de uma moldeira de silicone feita em laboratório. “Neste molde, o paciente aplica o gel clareador e o deixa na boca durante o tempo determinado pelo dentista, podendo inclusive dormir com ele”, explica. Por ser um gel de baixa potência, é indicado para os casos menos severos de escurecimento e, se houver necessidade, os tratamentos a laser e em casa podem ser feitos simultaneamente. O tratamento dura entre 10 e 30 dias, só podendo ser feito com recomendação de um profissional especializado.

O clareamento altera a cor de restaurações e dentes postiços?

O tipo de gel utilizado atua somente sobre a estrutura dentária, portanto porcelanas e outras restaurações irão manter o mesmo tom. “Caso ocorra alguma diferença de tonalidade após o tratamento, as restaurações devem ser trocadas para conseguir uma estética adequada”, explica o odontologista José Bernardes, de Belo Horizonte.

Como é feita a escovação durante o tratamento?

O paciente deve escovar os dentes com menos frequência durante o tratamento. Mario explica que a pessoa que faz clareamento pode escovar os dentes normalmente, desde que a pasta não contenha corantes, pois os dentes estão mais sujeitos à manchas durante o tratamento.

O dente clareado pode escurecer novamente?

Segundo o cirurgião-dentista Mario Groisman, os dentes clareados escurecem naturalmente com o passar do tempo, mas dificilmente voltarão à cor inicial. “Com passar da idade os dentes tornam-se mais escuros, sendo recomendadas novas sessões de clareamento”, afirma.

A pessoa que clareia os dentes pode fumar?

 Durante o tratamento e nas 48 horas posteriores os dentes estão mais sujeitos a manchas, por isso o fumo deve ser evitado. “A pessoa pode voltar aos hábitos costumeiros após esse período, porém o clareamento durará menos tempo e ela terá que fazer mais sessões se quiser manter os dentes brancos”, afirma Oscar Barreiros.

É necessário fazer mudanças na alimentação?

A ingestão de alimentos com muito pigmento ou corantes – como refrigerante, balas, vinho e café – pode escurecer os dentes mais rapidamente, exigindo manutenção. José Bernardes aconselha evitar esses alimentos durante o tratamento e até uma semana pós-clareamento. “Depois disso o paciente poderá voltar a comê-los, correndo o risco de ter os dentes escurecidos mais rapidamente, havendo a necessidade de renovar o tratamento”, explica.

Mulheres grávidas podem fazer o tratamento?

Segundo os especialistas, tanto o tratamento caseiro quanto o a laser possuem substâncias oxidantes, que podem afetar as células e tecidos, prejudicando o bebê em desenvolvimento. Como ainda são necessários mais estudos para comprovar se o clareamento faz mal ou não ao bebê, a contraindicação para gestantes e para mulheres que estão amamentando permanece.

A partir de qual faixa etária já é possível clarear os dentes? 

 A odontologista Lílian Meneguetti, da clínica Dental Solution, declara que crianças abaixo dos 10 anos não podem fazer clareamento dental, pois sua estrutura dentária ainda é muito sensível, além das chances de haver dentes de leite.

O clareamento deixa os dentes fracos?

 Os especialistas afirmam que se o tratamento for feito de forma adequada não há qualquer chance de os dentes ficarem enfraquecidos. “O clareamento não prejudica a estrutura dental, portanto não há perda de resistência”, conta Oscar.

Quem faz clareamento pode ficar com os dentes sensíveis?

Em alguns casos os dentes podem ficar sensíveis durante o tratamento, mas o sintoma pode ser controlado com o uso de produtos a base de flúor, por exemplo. “A maioria dos produtos clareadores já têm, incorporados na sua fórmula, agentes que atuam para evitar o problema”, diz José. Fonte: expressonoticias.com

Procure a CEIOP e faça sua consulta. Seus dentes dizem muito sobre você, portanto cuide bem deles !!! A aparência dentária vale o seu sorriso e sua auto estima !!! CEIOP. Um novo conceito em odontologia. Rua Albert Sabin, 1293 – Campo Grande, MS – (67) 3331.5226